INICIO > RAÇA AROUQUESA > SISTEMA DE PRODUÇÃO

Sistema de Produção:

Relativamente ao sistema de exploração e maneio, podem-se referir sistemas comunitários de pastoreio ainda existentes em alguns lugares, pastoreio em baldios e ainda sistemas de estabulação permanente e estabulação invernal. Naturalmente, como animais de apetência para o trabalho, a estabulação é interrompida para a execução do mesmo. Em qualquer destes sistemas é evidente a produção da raça de forma extensiva. Este tipo de produção permite aos animais andarem livremente, procurar alimento fresco e equilibrado existente na natureza, contribuindo para uma carne e conformação física de grande qualidade.

As vacas adultas, de manhã são levadas para o monte onde passam todo o dia e só regressam já de noite. Os vitelos ficam na "corte". Mamam antes da vaca sair, e, quando ela regressa do monte.


Recriação:
O gado Arouquês é recriado e explorado também em regime misto ou semi-estabular. Sempre que o tempo permite, quando no Inverno a geada ou a neve não é muito intensa, ou quando no Verão o sol é menos escaldante, o bovino é colocado à procura dos mais tenros rebentos das espécies arbustivas espontâneas, que crescem nos magros e delgados terrenos da serra. Na sua rusticidade conforma-se com os parcos recursos forraginosos da região, limitando-se assim ao aproveitamento de algum pasto existente no monte e ao escasso e magro penso fornecido no estábulo. A estabulação faz-se normalmente no piso inferior das habitações, debaixo de palheiros ou em rudimentares instalações construídas ad hoc. O sistema de exploração mais corrente é o de conta própria. Regista-se no entanto a parceria, sobretudo entre caseiros ou rendeiros e os donos da propriedade; não são raros também os lavradores-marchantes, que nas feiras adquirem gado e o entregam a recriadores em regime de percentagem nos lucros ilíquidos.


A maturação folicular:
surge por volta dos catorze ou quinze meses, idade a partir da qual as fêmeas são cobertas, pelo que o primeiro parto ocorre pouco depois dos dois anos, circunstância, que deve-se ter em atenção pois o regime alimentar a que os animais estiverem sujeitos durante a recria poderá repercutir-se no comportamento futuro destes animais. As fêmeas adultas são beneficiadas todos os anos e em qualquer época, geralmente dois a três meses depois do parto. A idade da novilha à primeira cobrição é muitas vezes antecipada, em relação ao seu desenvolvimento e em relação à idade ideal, contribuindo para o aparecimento de animais com defeitos morfológicos e menos categoria.


Apetite genésico: Nos novilhos desperta pelos 10 meses, mas só depois dos doze são inspeccionados para a reprodução, cujos respectivos serviços estão hoje assegurados por uma rede de postos pertencentes a particulares, pois o reduzido número de fêmeas por exploração agrícola não justifica economicamente a manutenção de reprodutores masculinos privativo; estes postos estão sob a inspecção e assistência permanente dos serviços Pecuários. Os touros são mantidos na reprodução ate aos cinco ou seis anos e as fêmeas, se criam bem e são boas leiteiras, só muito tarde, depois dos doze, treze anos por vezes mais tarde ainda. Os bois de trabalho, depois de engordados, são abatidos dos seis aos oito anos.

Alimentação: Na serra os bovinos da Raça Arouquesa aproveitam de forma excelente os escassos recursos alimentares existentes, designadamente, “as ervas espontâneas que medram no monte ou no pinhal, a rebentação dos matos (tojo, carqueja, giesta, moita de carvalho, etc.)”. Em estabulação são-lhe fornecidos ervas, fenos de lameiro, palha, feno de centeio e aveia, azevém e milho nas suas várias etapas de crescimento; colhidos pelos seus criadores nas pequenas parcelas de terreno onde realizam uma agricultura tradicional de subsistência característica da região. Durante o dia comem dos melhores fenos e azevéns que as pequenas parcelas de terra arável produzem.

 

Regime alimentar:

Tipo de alimento
Primavera
Verão
Outono
Inverno
feno
+
+-
+-
+
erva
+
-
+-
+
batata
-
+-
+-
-
farinha de milho
-
+-
+-
+
coroas de milho
-
-
+
+-
bandeiras de milho
+-
+
-
-
palha de milho
+
-
+-
+
ferrã
-
+-
+-
+-
milho de desbaste
-
+
+-
-


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
 
ELABORADO E PRODUZIDO POR JOÃO PEDRO FARIA @ ANCRA 2005